ciclo Mestres Japoneses Desconhecidos

Últimas

 Ciclo ESTREIA DE MESTRES JAPONESES DESCONHECIDOS

Sábados | IPDJ | 18H00

Dia 22 janeiro 
O MENINO DA AMA
, Tomotaka Tasaka, Japão, 1955, 142’

Decidida a saldar uma antiga dívida de gratidão, Hatsu desloca-se de Akita para Tokyo de modo a oferecer os seus serviços enquanto ama dos Kajiki, família urbana exemplarmente burguesa. A jovem provinciana cedo se apercebe das diferenças entre a sua terra e a capital Japonesa enquanto desenvolve uma relação especial com Katsumi, o filho mais novo dos Kajiki. Verdadeira epopeia dos pequenos gestos do quotidiano, O Menino da Ama encurta as distâncias geográficas, psicológicas e sociais no micro-cosmos da casa para apenas nos preparar para a despedida inevitável.

Dia 12 Fevereiro
MULHERES DE GINZA, Kozaburo Yoshimura, Japão, 1955, 109’

Ikuyo é a patroa de Shizumoto, uma residência de gueixas que emprega quatro outras mulheres. Todas, em simultâneo, vão revelando as extremas agruras da profissão. Desde a procura frustrada da popularidade nos jornais, passando pelos desejos difusos de maternidade e terminando na desilusão amorosa, as cinco mulheres sobrevivem debaixo do céu incandescente de Ginza, um dos bairros mais abastados de Tokyo. Contado a partir da perspectiva de uma jovem aprendiz de gueixa recentemente contratada, Mulheres de Ginza é um retrato ácido e lúcido dessas mulheres que, mesmo na derrota, saem esclarecidas.

Dia 12 Março
CADA UM NA SUA COVA, Tomu Uchida, Japão, 1955, 125’

A viúva Nobuko partilha residência com Tamiko e Junjiro, os dois filhos do seu falecido marido. Tamiko é uma jovem mulher com pretensões de independência, enquanto que Junjiro vive acamado, acometido por uma doença e a tristeza de uma separação recente. As tensões familiares crescem quando Nobuko decide procurar um pretendente para casar com Tamiko. A escolha recai entre o Dr. Ihara, mulherengo descarado, e o Senhor Komatsu, um romântico com problemas de assertividade. Autópsia das angústias do pós-guerra, Cada Um Na Sua Cova esboça um retrato imperdoável da nova sociedade Japonesa onde o “homem é o lobo do homem”.